Conheça as mulheres incríveis que gancho para Heal

No sobre o ano passado eu tive a idéia que eu queria escrever um livro, explorar os benefícios de saúde física e mental de crochê. Eu vim para crochê após uma intensa batalha contra a depressão e sabia em primeira mão o poder de cura do ofício. De conversas com os outros, eu suspeitava que eu não era o único que me senti assim, Então eu coloquei um pedido de histórias, perguntando se alguém queria compartilhar comigo suas histórias de crafting para curar a mesmo como pesquisa para este livro.

Estou honrado em dizer que cerca de duas dúzias de mulheres teve tempo para responder com sua quente, sincero, tocando, histórias incríveis sobre dar para curar. E tenho orgulho de dizer que meu livro, Crochê salvou a minha vida, estará pronto para venda em 1º de agosto. Neste livro, Partilho a minha história. Também partilho toneladas de pesquisa sobre como o crochê pode ajudar pessoas com uma miríade de problemas de saúde. Mas minha parte favorita deste livro foi o que eu tenho para compartilhar as histórias de todas essas mulheres maravilhosas.

Você pode conhecê-los todos em mais profundidade através do livro quando é para fora em algumas semanas, mas queria aproveitar o tempo para agradecer publicamente a essas mulheres aqui e te dar uma breve introdução sobre quem eles são. Uma nota rápida para dizer que viemos para este projeto em vários estágios de cicatrização e com circunstâncias de vida diferentes para lidar com. Algumas mulheres estavam prontas compartilhar publicamente suas histórias toda junto com seus nomes completos e links para onde eles podem ser encontrados on-line. Outras mulheres compartilhou suas histórias usando somente seus primeiros nomes ou usando um alias. Era importante para mim respeitar onde toda a gente estava no processo de … Com o que disse, são as mulheres cujas histórias podem ser encontradas em Crochet salvou minha vida:

Aimee

O ' Neill Aimee foi vítima de abuso mental em seu casamento. Crochê foi uma ferramenta que a ajudou em sua jornada para a liberdade. É algo que ela podia fazer por conta própria, por si mesma, é independente de qualquer outro controle.

Aurore

Aurore é uma mulher francesa com um diagnóstico de psicose alucinatória crônica, uma condição que é comparável à esquizofrenia e é caracterizada por dificuldade em manter um senso do que é real e o que não é. Essa mulher forte usa crochê como uma ferramenta para ajudá-la a manter uma conexão com a realidade como ela lida com esta condição.

Carol

Toda a vida da Carol mudada quando ela começava a sentir os sintomas da fibromialgia. O trabalho dela chegou ao fim. A maternidade mudou. Mudou a maneira que ela viveu para fora de seu papel como uma mulher. Não era algo fácil de se lidar com. Crochê ajudado. O ofício permitiu que ela continuasse a ser capaz de dar aos outros na vida dela, mesmo que a doença dela tirou essa habilidade em algumas áreas.

Elisabeth-Andree

Elisabeth Andrée, um blogger que oferece muitos tutoriais de crochet free, tem uma doença progressiva ouvido interno chamado de Meniere. Isso não só torna difícil para ela ouvir, mas afeta também gravemente o seu equilíbrio e coordenação. Ao longo dos anos, isso resultou em uma perda de emprego, que pode ter causado a espiral em depressão. No entanto, através da pura autodeterminação para celebrar a sua vida, e com um pouco de ajuda de crochê, Esta crafter conseguiu aprendeu a apreciar as pequenas coisas.

Em

É em um 50+ mulher que passou por um longo período de desemprego após uma dispensa causada pela crise econômica. Ela lutou com depressão relacionado com problemas de auto-estima, até que ela ficou ativa vendendo seu trabalho de crochet no Etsy. O novo emprego, Mas mais especificamente sendo ocupado com crochê, ajudou a quebrar o ciclo de depressão.

Fran

Fran foi brutalmente estuprada e deixou-a com a dor física e emocional que ela ainda é a cura de. Ela sempre gostou de crochet, mas desde o estupro tornou-se uma parte crucial do seu processo de cura, permitindo-lhe para ajudar os outros como uma forma de recuperar o seu poder pessoal e cura-se.

Jennifer

Jennifer Crutchfield é um organizador profissional que usa crochê para ajudá-la a lidar com os sintomas do TOC. Ela gosta do desafio e a emoção de assumir um novo projeto. No entanto, Ela também gosta de como o processo meditativo de crochê repetitiva pode reduzir os sintomas da ansiedade.

Katherine

Katherine Dempsey teve um derrame ruim que resultou em tendões e ligamentos do tornozelo rasgado, um disco rasgado nas costas e dor ciática. Isto deixou-a na cama e fora do trabalho, tornando-a inquieta e frustrado, além de ser grande dor. Ela usou crochê para controle da dor e também para lidar com a depressão associada com dor crônica.

Kristine

Crochê designer padrão Kristine Mullen Tive várias experiências de parto difícil, incluindo a entrega de seu quinto filho que não estava respirando e tinha Distócia de ombro. Compreensivelmente, Ela estava cansada e temeroso quando era hora de entregar o seu próximo filho. Ela trouxe o crochê para a sala de parto com ela para reduzir a ansiedade e a esquecer a dor. Ela acabou com uma camisola para ela e o bebê saudável número seis!

Laurie

Laurie Wheeler é conhecido como o líder destemido do Frente de libertação de crochê e o fundador da HOOKEY.org, sites que ajudam a reunir crocheteiras de todos os níveis de habilidade para conectar um ao outro e aprender um do outro. No entanto, um não se torne um líder destemido sem virado para baixo algumas lutas. Laurie sofreu de estresse pós-traumático e transtorno de personalidade múltipla causada por trauma de infância e ela superou essas condições através da força, perseverança e sim, crochê.

Laurinda

Designer premiado crochê Laurinda Reddig tinha croché para a maior parte de sua vida e então naturalmente foi algo que ela acabou quando ela precisava de ajuda para superar a dor de perder um filho. A filha de uma dia de idade estava embrulhada em um afegão handmade que Laurinda foi capaz de levar para casa com ela. Ela sabia que ela queria ser capaz de oferecer o mesmo conforto a outras mães que este cobertor ofereceu-se para ela e então ela começou a Lembrando o projeto Rowan. O projeto deu-lhe uma forma tangível para ajudar os outros e um meio para curar através de seu próprio processo de luto.

Liza

Liza tem uma condição não diagnosticada, possivelmente MS, Isso faz com que ela a experiência periodicamente cegueira temporária. Crochê a ajudou a lidar com a ansiedade e stress que ela experimenta durante esses tempos, porque ela sabe que se ela pode crochê cego, em seguida, ela pode fazer cegos outras coisas também. Isso lhe dá uma sensação de competência e acalma a ansiedade da situação-que batalhas.

MK.

MK. Carroll é o editor de série para os livros de crochê fresco projetos publicados pela imprensa de cooperativa. Ela também é uma mulher que tem lutado com depressão ao longo dos anos. Crochê não é apenas a vida; é seu modo de vida. Ele ajudou a superar momentos difíceis e é algo que ela volta para uma e outra vez para permanecer em contato com seu próprio humor.

Margaret

Margaret Mills é um sobrevivente de câncer que estava começando a ganhar um pouco de força após o tratamento de quimioterapia, quando sua mãe tornou-se seriamente doente e precisava de ir morar com Margaret e sua filha. Este trio de três gerações de artesãos tinha muitas fontes do ofício na mão, incluindo ganchos e fios da vovó, que provou para ser vital em ajudar a Margaret através o difícil período de depressão que se seguiu como ela lidou com os estressores de doença dentro da família.

Marinke

Marinke tem síndrome de Asperger, o que provoca sua inaptidão social. Crochê tem ajudado a reduzir a depressão e stress em torno de sua situação. Sente-se também ajudou a encontrar uma comunidade se conectem graças a blog dela, onde ela se espalha muita bondade de crochê e alegria.

Martha

Martha Stone foi diagnosticado com transtorno de ansiedade generalizada em 2003 e medicação usada para ajudá-la a passar por isso. No entanto, Quando a condição veio em oito anos mais tarde, Demorou um tempo para o remédio fazer efeito. Martha precisava fazer algo para ficar sà nesse ínterim e crochê foi o que ajudou a superar.

Nessa

Nessa começou a sofrer de depressão na adolescência e mais tarde, aprendi que a depressão estava ligada à esclerose múltipla. Ela muitas vezes se sentiu como se o corpo dela estava mentindo para ela e ela precisava encontrar coisas na vida que não mentiu. Embora ela estava vivendo a milhares de milhas longe de casa, Ela encontrou a verdade da maneira americana artesanais de vida que tinha cercado-la como uma criança, e então ela começou a crochet. O crochê foi relaxante e meditativo e a ajudou a superar não só a depressão, mas a necessidade de constantemente reinventar ou reenvision-se com cada nova deficiência que o MS intentada em.

Rachel

Rachel Brown não tivesse antecipado que tornando-se uma mãe iria deixá-la nas garras da depressão pós-parto. Quando ele fez ela encontrou-se lutando com ansiedade e depressão, debilitante sentimentos de estar nervosa, em pânico e inútil. Ela fez uma lista das poucas coisas que ainda fez ela se sentir calmo e feliz e uma dessas coisas era crochê então ela malha a caminho para dias melhores. Rachel compartilha muita diversão tutoriais e projetos em seu blog.

Sara Jane

Sara Jane sofre de síndrome das pernas inquietas (SÍNDROME DAS PERNAS INQUIETAS). Ela encontrou que o crochê interrompe sua perna dolorosa tremendo e ajuda a relaxar. Isso permite que ela faça coisas que ela não seria capaz de fazer se a síndrome das pernas Inquietas não estava sob controle, coisas como acontecendo anual Washington DC. passeios com seus alunos.

Shelli

Shelli Steadman foi 30 Quando ela começou a ter problemas de saúde que os médicos tinham dificuldade de diagnosticar e que acabou por ser devido ao hipotireoidismo e fibromialgia. Ela não podia ser tão ativa como era uma vez e crochê encontrado ajudou seus espíritos permanecem erguidas como ela ajustada para um novo "normal".

Sherri

Escritor Sherri A. Stanczak teve que se submeter à cirurgia da coluna vertebral que deixou a lidar com uma quantidade significativa de dor nem meia dúzia dezenas anos mais tarde. Crochê ajuda Sherri para controlar a dor. Ele também ajuda a combater os sentimentos de depressão que freqüentemente são um subproduto do viver com dor crônica.

Tammy

Tammy Hildebrand é bem estabelecido crochê designer, o presidente de desenvolvimento profissional para o Crochet Guild of America (CGOA) e está no Conselho de administração CGOA. Crochê é a vida dela. Também tem sido uma importante ferramenta de cura em sua batalha com a doença de Lyme crônica. Crochê ajudou-a lidar com a depressão em torno de sua doença. Uma vez que ela se tornou uma ativista de Lyme, ensinando e compartilhando crochê serviram como uma maneira de que ela pode ajudar outras pessoas que estavam passando por uma situação semelhante.

Vicki

Vicki Sulfaro Nunca passa um dia sem dor, desde o dia em que um acidente de carro deixou-a com lesões na coluna vertebral. No entanto, Ela mantém uma atitude otimista sobre a situação dela e usa crochê como um instrumento de cura para lidar com as novas dificuldades da vida cotidiana, principalmente pelo crochê para dar volta aos outros e encontrar o propósito em seu novo mundo.

 

Crochê salvou a minha vida é um livro auto-publicado que foi financiado inteiramente do meu próprio bolso, então apesar de suas histórias valiam ouro eu era incapaz de pagar estas mulheres por suas contribuições. Eles compartilharam suas histórias por nenhuma outra razão do porque tinha ajudado crochê-los e eles queriam deixar que os outros sabem o quão útil pode ser o ofício. Eu sou infinitamente grato a essas mulheres. Obrigado, Obrigado, Obrigado!

 

A foto no topo deste post foi feita por Julie Michelle

Inscrever-se todas as mensagens por e-mail diário ou por um leitor de feeds.

Inscrever-se meu boletim onde partilho crochê notícias e atualizações de todos os 1-2 meses.

Kathryn

San Francisco com base e crochê obcecada pelo escritor, sonhador e espírito criativo!

38 Comentários:

  1. Congratulations to you! What an amazing resource you have created!!

  2. JulieMichelleSparenberg

    Congratulations, Kathryn. It was a pleasure to work with you to create the image for the cover, and in learning more about what will be in the book, I’m so inspired by your work. I don’t crochet but I can imagine this book will make me want to start. I wish you all the best with this book and hope it finds its way into the hands of many appreciative readers.

    • @JulieMichelleSparenberg Thanks Julie! You have been an inspiration to me since we met and it was really special for me to be able to work with you on the photo cover. While I hope that the book encourages non-crocheters to try the craft, I also hope to share the belief that being creative in whatever way is right for you is healing to yourself and to those around you. You do that every day, crochet or not!

  3. What a beautiful collection of stories! Obrigado por compartilhar. :)

  4. I am so excited to see this book! And it will be published just in time for Rowan’s 4th birthday! Thank you for including our story. :)

  5. Kathy, I cannot wait to read this book and share it with our craft-therapy group. Thank you for taking the time to listen to us and for sharing your talents with us as well.
    God Bless you,
    Liza
    http://gablimusing.blogspot.com

  6. FYI: I had to put this on my blog;)
    http://gablimusing.blogspot.com under gotta read.

  7. ShelliJordanSteadman

    I am so excited to have been a part of this! I can’t wait to read it! Thank you for listening to our stories. I know this will be a wonderful resource to help others.

    • @ShelliJordanSteadman Thank you! I hope everyone likes the way that their stories are laid out in the book. I really do think that all of you ladies are going to touch others through this project.

  8. My friends and family laugh at me and think I’m joking when I tell them my sanity is held together with crochet hooks and knitting needles. It sounds like this book validates what I’ve been saying all along. I am looking forward to getting a copy of this. I will definitely have to mention this in my blog as well.

  9. My friends and family laugh at me and think I’m joking when I tell them my sanity is held together with crochet hooks and knitting needles. It seems that this book will validate what I’ve been saying all along. I can’t wait to read it and will have to mention this on my blog as well. Obrigado pela inspiração :)

  10. Congratulations Kathryn!! I am sure it was a lot of hard work but now it is here, the book and you are the author of it. I know you are proud and I almost can’t wait to read it!

  11. You have done something incredibly important. Crochet saved my life and continues to hold me together. It means so much to know that I am not alone. Reading the stories of women who have survived and triumphed over similarstormsis beyond inspirational. I am grateful for your vision and can’t wait to read the book!

  12. Great job Kathryn. I remember stumbling across Laurinda’s site earlier this year. Her story touched my heart and reminds me so often of how great it is to have something to hold during those times of loss.

    • @momwithahook Laurinda’s story is really touching. I love how she’s taken what she went through and really dedicated herself to turning it into a positive thing for herself and others.

    • @momwithahook I did not realize until recently just how different my healing process has been from most of those who have experienced a similar loss. And it is all because of crochet and being about to talk about my experience with something positive to share. I am part of an art show this month of healing from pregnancy loss and infertility through creativity, some really intense work. But I feel a little bit set apart because my crochet project(s) have allowed me to heal more than many.

      • @LaurindaReddig @momwithahook That project sounds terrific Laurinda. Just remember that no matter what type of support group or project like that you join everyone is going to be in different stages of healing. You provide a great example of the positive ways that you can use both creativity and communication to heal!

      • @LaurindaReddig Talking with those who share the same loss is important – para mim. I think in part because I crochet which gives me a buffer to the intense feelings I have about an issueI can always bring the conversation back to crochet. :) You are an inspiration to many.

        • @momwithahook Exactly! So many people do not talk about their experiences, and talking about my crochet projects enables me to talk about my daughter often, in a positive way.

  13. Pingback: Obter 20% Crochet off salvou a minha vida — Concupiscência de crochê

  14. Pingback: Crochet Blog Roundup: Julho em revisão — concupiscência de crochê

  15. Pingback: 24 Verdades sobre o poder de cura de crochê — concupiscência de crochê

  16. Pingback: Crochê no tratamento da esquizofrenia: História do Aurore — concupiscência de crochê

  17. Pingback: Doação: 5 Cópias de crochê salvou a minha vida para ganhar — concupiscência de crochê

  18. Pingback: História verdadeira: Ajuda na ala psiquiátrica de crochê — concupiscência de crochê

  19. Pingback: Crochê pára lágrimas em tempos difíceis (história verdadeira) — Concupiscência de crochê

  20. Pingback: Criatividade e depressão: Primeira parte | Fuga de depressão

  21. Pingback: 3 Características positivas de crochê — concupiscência de crochê

  22. Pingback: 2012 em crochê: Minha vida de crochê e casa — concupiscência de crochê

  23. Pingback: Cura de crochê | Organizar & Artesanato

Deixar uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estes HTML Tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

  • Image of Cover for Crochet Saved My Life

    Crochê salvou a minha vida conta minha história de como elaborar me curou da depressão crônica. Ele também compartilha as histórias de 24 outras mulheres incríveis que viciado para curar. Ler o livro hoje!